Quantificação do Grau Brix e As Engenharias

Você sabe o que é grau brix? Qual sua importância tanto para a indústria alimentícia quanto para a agricultura de modo geral?

O Brix, simbolizado por °Bx (grau Brix), é uma escala numérica que mede a quantidade de sólidos solúveis em uma solução de açúcares, principalmente glicose, frutose e sacarose, ácidos orgânicos e outros constituintes menores, apresentando uma relação direta com o grau de doçura do produto, seja ele vegetal ou animal. A escala Brix, desse modo, é uma relação entre o número de gramas de açúcares contidos em 100g de solução. 

Deste modo, ao analisar uma solução de 15 °Bx, pode-se inferir que nesta amostra, há 15 gramas de sacarose em 100 gramas da solução (sacarose + água). Ou, mais especificamente, tem-se 15 gramas de sacarose em 85 gramas da água, o que constitui as 100 gramas da solução. Para realizar esta quantificação, emprega-se como instrumento o refratômetro ou, também conhecido como, brixômetro (Figura 1).

Figura 1 – Modelos de refratômetro. Fonte: SP Labor Equipamentos de Laboratório

Este equipamento é um instrumento ótico que mede o índice de refração da mistura de uma solução. Esse fenômeno ocorre quando a luz atravessa a interface entre dois meios ópticos e transparentes, como ar e água, havendo uma alteração em sua velocidade de propagação. Sabe-se que a luz é uma forma de onda que se propaga em determinada velocidade, a qual dependerá do meio no qual se propaga. Desse modo, a velocidade de propagação da luz no ar difere-se de sua velocidade de propagação na água, de modo que quando essa passar de um meio para o outro ocorrerá a refração, ou o desvio do feixe de luz (Figura 2).

Figura 2 – Representação da leitura e visualização do resultado em refratômetro portátil. Fonte: SP Labor Equipamentos de Laboratório

O refratômetro mede o índice de refração da luz em uma solução aquosa, utilizando poucas gotas da solução. A luz, ao atravessar o líquido sofre refração (mudança de ângulo) e é esse ângulo de refração que é medido pelo aparelho, em graus, o que permite avaliar características próprias da substância avaliada.

A aplicação deste método de análise atende desde a área agrícola, passando pela indústria de alimentos e de manufaturados até empresas do setor químico e de papel. Na indústria alimentícia, por exemplo, essa escala auxilia na quantificação aproximada de açúcares em sucos de fruta, vinhos, geléias, indústria açucareira, laticínios, entre outras. Já na área agrícola, pode ser empregada como um parâmetro para se estimar o ponto de colheita de frutos, uma vez que o teor de sólidos solúveis interfere no ponto de colheita e no rendimento de produtos vegetais durante o processamento industrial, é importante saber como avaliá-lo, identificando os processos metabólicos envolvidos. 

Pode-se citar como exemplo, o caso do cultivo da cana-de-açúcar, em que o brix tem sido comumente empregado como importante indicador da maturação do cultivo. Esse indicador está intimamente relacionado com teor de sacarose da cana-de-açúcar, o qual é dependente do processo de adubação, grau de compactação do solo, umidade, controle de pragas, entre outros. A vantagem do emprego desta técnica consiste no fato de que o refratômetro pode ser utilizado diretamente no campo, consistindo em um fator decisivo na tomada de decisão quanto a escolha do momento ideal de colheita dessa cultura e, ainda, como indicador qualitativo do manejo (VARELLA; BARROS; BAESSO, 2012). Este parâmetro, empregado juntamente com outras técnicas de análise, auxilia tanto no processo de pré quanto pós colheita de diversas culturas, como: café, mandioca, uva, morango, mamão, entre outros.

Se interessou pelo assunto?

Então venha para os cursos de Engenharia Agronômica ou Engenharia Química da FEITEP e aprenda mais sobre essa e outras técnicas das engenharias.

Vem ser FEITEP você também!

Profª Flávia Caroline Bedin Feitosa

Profª Cristiane Mendes da Silva-Reis

VARELLA, C. A. A.; BARROS, V. R.; BAESSO, M. M. Mapeamento da variabilidade espacial do brix em cana-de-açúcar. REVENG: Engenharia na agricultura, Viçosa, n.2, v. 20, p. 112-117 , mar/abr. 2012.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *